SINO

SINO
SINO DA CAPELA SÃO RAFAEL ARCANJO

sábado, 26 de maio de 2012

OS 7 SACRAMENTOS- ORDEM


O Sacramento da Ordem Sagrada

Ordenação

Na Última Ceia Jesus conferiu o sacerdócio aos seus Apóstolos quando lhes mandou: Fazei isto em memória de mim (Lc 22, 19); e, ao mandá-lo, lhes deu o poder de fazer o que Ele acabara de fazer. A esse poder de mudar o pão e o vinho no Corpo e Sangue, Jesus acrescentou na noite do Domingo da Ressurreição o poder de perdoar os pecados em seu nome, quando disse:Àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados. Àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos (Jo 20,23).

Além desses poderes, Cristo conferiu aos Apóstolos o poder de evangelizar - anunciando em nome de Cristo a Boa Nova - e o de reger como Pastores o povo de Deus. Este poder sacerdotal que Jesus conferiu aos seus Apóstolos não era para morrer com eles. Jesus veio salvar as almas de todos os homens, até o fim do mundo. Por conseguinte, os Apóstolos transmitiram esse poder a outros homens na cerimônia que hoje chamamos o Sacramento da Ordem Sagrada.

Conforme nos ensina o Código de Direito Canônico, por divina instituição, graças ao sacramento da ordem, alguns fiéis, pelo caráter indelével com que são assinalados, são constituídos ministros sagrados, isto é, são consagrados e delegados a fim de que, personificando a Cristo Cabeça, cada qual em seu respectivo grau, apascentem o povo de Deus, desempenhando o múnus de ensinar, santificar e governar (Can 1008).

No livro dos Atos dos Apóstolos, vemos relatada uma das primeiras ordenações conferidas pelos Apóstolos:
Agradou essa proposta (de ordenar sete diáconos) a toda a assembléia. Escolheram Estevão, homem cheio de fé e do Espírito Santo, Filipe, Prócoro, Nicanor, Timão, Pármenas e Nicolau, prosélito de Antioquia. Apresentaram-nos diante dos Apóstolos, os quais, depois de terem orado, lhes impuseram as mãos (At 6, 5-6).

Esses homems foram ordenados diáconos, não sacerdotes. Mas a cena permite-nos ver os Apóstolos compartilhando e transmitindo o sagrado poder que Cristo lhes outorgara. Com o decorrer do tempo, os Apóstolos consagraram bispos, para que estes prosseguissem a sua missão. Esses bispos, por sua vez, ordenaram mais bispos e presbíteros, e estes últimos bispos, por sua vez, outros mais. De tal modo que o sacerdote católico de hoje pode dizer, na verdade, que o seu poder sacerdotal, recebido pelo Sacramento da Ordem, lhe foi dado pelo próprio Cristo, numa cadeia ininterrupta que remonta até Ele.
Quais são os Sinais da Vocação para o Sacerdócio?

A vocação é uma chamado do Bispo. Quando um bispo comunica a um jovem, ao término dos estudos do seminário, que deve preparar-se para receber o sacramento da Ordem Sagrada, esse é o fator essencial da vocação.
Agora, antes de entrar no seminário o rapaz não deve esperar nenhuma revelação especial. No entanto, deve procurar na oração pessoal qual é a vontade de Deus para a sua vida e qual a sua vocação. Se tem dúvida sobre a vocação sacerdotal ou não deve observar alguns pontos: ter boa saúde, capacidade de estudar e aprender, confessar-se regularmente e comungar com frequência (se a resposta for não é um defeito que pode ser corrigido facilmente), vive habitualmente em estado de graça, procura evitar o pecado mortal. Para um jovem pensar em sacerdócio não é preciso ser um santo. Se você se sente chamado ao sacerdócio deve procurar logo um sacerdote ou um diretor espiritual.

Quais os requisitos para o Sacerdócio?
1) O primeiro requisito é ser varão, ou seja, homem, batizado e confirmado (Can 1024 e 1033)
Sobre a questão da admissão de mulheres ao sacerdócio a Igreja, através da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, já manifestou-se contrariamente em 15 de outubro de 1976, bem como, temos a Carta Apostólica de João Paulo II - Ordenatio sacerdotalis, de 1994.
2) Não ter nenhuma irregularidade ou impedimento (Can 1040 ao 1049);
3) Ter a Liberdade para escolher, não se admite forçar alguém a receber esse sacramento (Can 1026);
4) Fé íntegra (Can 1029);
5) Reta intenção (Can 1029);
6) Possuam a Ciência devida (Can 1029);
7) Boa reputação (Can 1029);
8) Integridade de costumes (Can 1029);
9) Virtudes comprovadas (Can 1029);
10) No mínimo 25 anos (Can 1031)
Existe direito a receber o Sacramento da Ordem?

Não.
O Catecismo da Igreja Católica dispõe que ninguem tem o direito de receber o sacramento da Ordem.
De fato, ninguém pode arrogar-se a si mesmo este cargo. A pessoa é chamada por Deus para esta honra. Aquele que crê verificar em si os sinais do chamado divino ao ministério ordenado deve submeter humildemente seu desejo à autoridade da Igreja, à qual cabe a responsabilidade e o direito de convocar alguém para receber as ordens. Como toda graça, esse sacramento não pode ser recebido a não ser como um dom imerecido. (Catecismo)

Quantos e Quais são os graus da Ordem Sagrada?

As ordens sacras são o episcopado, o prebisterato e o diaconato (Can 1009).
O que é a Ordem do Diaconato?
No grau inferior, ou terceiro grau, da hierarquia estão os diáconos. Impõem-se lhes as mãos para o serviço. Cabe aos Diáconos entre outros serviços:
a) assistir o Bispo e os sacerdotes na celebração dos divinos mistérios, sobretudo a Eucaristia;
b) distribuir a Comunhão;
c) assistir ao sacramento do Batismo;
d) assistir ao sacramento do Matrimônio e abençoá-lo;
e) proclamar o Evangelho e pregar;
f) presidir os funerais e exéquias e consagrar-se aos diversos serviços da caridade.
Diácono
Nos primeros tempos do Cristianismo, a ordem do diaconato era uma meta em si, os diáconos eram importantes auxiliares dos bispos e dos sacerdotes. Em séculos mais recentes, o diaconato caiu em desuso como "ordem" ativa, e converteu-se em mero passo para o sacerdócio. Assim, só se podiam encontrar diáconos nos seminários, e um diácono permanecia nessa condição por poucos meses, até receber a ordenação sacerdotal. O Concílio Vaticano II restabeleceu a primitiva concepção do diaconato. Os seminaristas continuarão a receber a Ordem do diaconato antes da ordenação sacerdotal, mas procura-se que haja homens (mesmo casados) que sejam ordenados diáconos com o propósito de permanecerem nessa condição.
O que é o Diácono Permanente?

É aquele homem que quer consagrar-se ao serviço do evangelho e da Igreja sem tornar-se sacerdote.
Pode ele ser solteiro ou casado.
Se solteiro não pode casar-se devendo assumir publicamente o celibato (can 1037) e, caso se torne diácono quando estiver casado e venha a ficar viúvo deve permanecer nesse estado e não pode casar-se mais.
Se solteiro só deve ser admitido ao diaconato após completar 25 anos; se casado, só depois de completar 35 anos e com o consentimento da esposa (Can 1031).

O diácono (permanente ou temporário) não pode:
a) Celebrar a Santa Missa;
b) Ouvir a Santa Confissão e proferir a absolvição.
A veste do Diácono difere da usada pelo Sacerdote por ser a estola usada de forma transversal ao corpo.

O que é a Ordem do Presbíterato?
O segundo grau é constituído pelos presbíteros - os sacerdotes -, que estão unidos aos bispos na dignidade sacerdotal, embora só o bispo possua a plenitude do sacerdócio.


"Em virtude do sacramento da Ordem, segundo a imagem de Cristo, sumo e eterno Sacerdote, eles são consagrados para pregar o Evangelho, apascentar os fiéis e celebrar o culto divino, de maneira que são verdadeiros sacerdotes do Novo Testamento" (Lumen Gentium, n.28)

O sacerdote é o pastor dos fiéis, guiando-os, orientando-os e:
a) celebrando o Sacramento do Batismo;
b) celebrando o Sacramento da Eucaristia;
c) celebrando o Sacramento da Penitência;
d) celebrando o Sacramento da Unção dos Enfermos;
e) celebrando o Sacramento do Matrimônio.
O sacerdote exerce o seu munus numa Igreja particular.
O que é a Ordem Episcopal?
A Ordem Episcopal, primeiro grau da ordem, confere a plenitude do Sacramento da Ordem, faz do bispo o legítimo sucessor dos Apóstolos, insere-o no Colégio episcopal partilhando com o papa e os outros bispos a solicitude por todas as Igrejas, e lhe confia os ofícios de ensinar, santificar e reger.
Consagração da Ordem Episcopal

Para a receber a consagração episcopal necessita-se do mandato pontifício, não sendo lícito nenhum bispo consagrar outro bispo sem o mesmo (Can 1013), sob pena de excomunhão reservada à Santa Sé para ambos (Can 1382). Só pode receber essa ordem o presbítero (sacerdote).
O Bispo pode:
a) Celebrar o Sacramento do Batismo;
b) Celebrar o Sacramento da Confirmação (ou Crisma);
c) Celebrar o Sacramento da Eucaristia;
d) Celebrar o Sacramento da Penitência ou Reconciliação;
e) Celebrar o Sacramento da Unção dos Enfermos;
f) Celebrar o Sacramento da Ordem;
g) Celebrar o Sacramento do Matrimônio.
A essência da ordem episcopal reside no poder do bispo de perpetuar a si mesmo, no poder de ordenar sacerdotes e de consagrar outros bispos, isto é, no poder de ele, sucessor dos Apóstolos, perpetuar essa sucessão apostólica.

Como e Onde ocorre a celebração do Sacramento da Ordem?
A ordenação deve ser celebrada na Catedral mas, pode ser celebrada em outra igreja ou oratório, dentro da Santa Missa, em dia de domingo ou festa de preceito; mas, por motivos pastorais, pode ser feita em outro dia (Can 1010).
A ordenação é realizada pela imposição das mãos e pela oração consecratória (Can 1009).
Quem é o ministro desse Sacramento?
O ministro da sagrada ordenação é o Bispo (Can 1012); no entanto, o Bispo só pode consagrar alguém como Bispo com a existência do mandato pontifício (Can 1013).

O que é um Monsenhor?
Monsenhor Marcony pároco da Catedral de Brasília

Monsenhor é um título honorário concedido a um sacerdote por reconhecimento a serviço prestado à Igreja e não indica a posse de nenhum cargo ou posição na Igreja.
No entanto, o título de monsenhor pode ser usado por um sacerdote que foi eleito bispo e ainda não recebeu a ordem episcopal.

Qual a diferença entre a Diocese e a Arquidiocese?

A Igreja é dividida em dioceses ou circunscrições equivalentes. Cada diocese ou prelazia territorial tem limites geográficos e é dividida em paróquia, também com limites.
Várias dioceses adjacentes agrupam-se para formar uma província da Igreja. A diocese principal da província chama-se Arquidiocese.

Qual a diferença entre Bispo e Arcebispo?

Cada Diocese tem à frente um Bispo, O Bispo que governa uma Diocese chama-se Ordinário, o que distingue do Bispo que não tem nenhuma diocese que são os Bispos Titulares.
O Arcebispo é o Ordinário de uma Arquidiocese.
O Arcebispo não é o chefe das dioceses da província, pois cada bispo governa a sua própria diocese. Mas tem precedência de honra e o dever de convocar os bispos da província e de presidir às suas reuniões.

Qual a diferença entre o Bispo e o Cardeal?

Ofício de Cardeal não tem nada haver com o poder sacerdotal.
O cardinalato é um posto honorífico, que pode ser concedido a um diácono, sacerdote ou bispo, inteiramente à margem do sacramento da Ordem Sagrada.
Os cardeais não são senão conselheiros do Papa, colaboradores especiais em altos cargos do governo da Igreja, e formam o colégio eleitoral que escolhe um novo Papa.
Teoricamente, um cardeal nem teria que ser um sacerdote; atualmente, não se costuma nomear cardeais que não sejam sacerdotes ou bispos.

Cardeal e Arcebispo da Arquidiocese de São Paulo Dom Odilo

Qual a diferença entre o Bispo, o Cardeal e o Papa?
Já vimos que não há diferença, nem relação entre bispo e cardeal. Mais, e o Papa?
Bem, o Papa é o Bispo de Roma, sucessor de São Pedro, e tem autoridade sobre toda a Igreja. Estabelece leis para toda a Igreja. Designa os sacerdotes que serão bispos e atribui dioceses a esses bispos.
O Papa é eleito pelos cardeais que, normalmnete, elege um deles, no entanto, o Papa também não precisa ser, necessariamente, um sacerdote, um bispo ou cardeal.
Goza do privilégio da infalibilidade, por este privilégio divino, Deus preserva o Papa do erro quando se pronuncia definitivamente, para a Igreja universal, sobre matérias de fé ou de moral, usando da plenitude da sua autoridade docente.

Papa Bento XVI

(Catecismo, A Fé Explicada - Leo J. Trese, Código de Direito Canônico, site Cleofas)

Nossa Senhora do Rosário, rogai por nós e pelos nossos sacerdotes!
FONTE: BLOG APRENDENDO A SER CRISTÃ CATOLICA

Nenhum comentário:

Postar um comentário